Sacola de Compras

* Calcule seu frete na página de finalização.

* Insira seu cupom de desconto na página de finalização.

 

VINHOS NATURAIS VILLA DON BASILIO

 

Temos o maior orgulho de apresentar os novos vinhos da família Villa Don Basilio. O 300 Onças é um vinho diferenciado tanto pela história que representa, quanto pelo modo como é produzido. Nesta página você vai conhecer o que são vinhos naturais, como os nossos são produzidos, e também a história que deu origem ao nome deste novo e inigualável produto.

 

 

 

O CONTO TREZENTAS ONÇAS

 

Contos Gauchescos (1912) é a obra-prima do escritor gaúcho João Simões Lopes Neto (1865 - 1916). O autor regionalista retrata em seu livro detalhes sobre o universo do gaúcho, ressaltando principalmente as particularidades da fala desse povo.

 

O livro é organizado em 19 contos, tendo como personagem principal Blau Nunes, que irá narrar suas histórias e os traços da vida de um peão sem estabilidade e trabalho fixo.

 

Através de Blau Nunes, João Simões Lopes Neto apresenta o gaúcho e suas peculiaridades, assim como reforça certas características coletivas constantemente atribuídas, como a famosa generosidade, hospitalidade e também amizade.

 

Desta obra, destacamos o conto “300 ONÇAS”, por representar uma carga de honestidade do habitante da região, atributo essencial para garantir um vinho natural.

 

O narrador Blau Nunes conta que, certa vez, viajando sozinho a cavalo, acompanhado apenas de seu cachorro, levava na guaiaca trezentas onças de ouro, destinadas a pagar um gado que compraria para seu patrão. Um certo ponto da viagem, pára para sestear num passo, onde, depois de uma boa soneca, vai refrescar-se com alguns mergulhos na água fresca.

 

Tornando a vestir-se e a encilhar o zaino, parte em direção à estância da Coronilha, onde devia pousar. Logo que sai a trotar pela estrada, o gaúcho nota que seu cachorro estava inquieto, latindo muito e voltando sobre o rastro, como se quisesse chamar seu dono para o pasto outra vez. Mas Blau Nunes segue seu caminho até chegar à estância da Coronilha. Lá chegando, ao apear do cavalo e cumprimentar o dono da casa, nota que não estava com sua guaiaca. Anuncia que perdera trezentas onças do patrão e, preocupadíssimo, monta o cavalo outra vez para voltar ao lugar onde teria deixado a guaiaca.

 

Depois de nova cavalgada, sempre acompanhado do fiel cãozinho, Blau Nunes chega ao passo, já de noite, e não mais encontra a guaiaca no lugar onde tinha certeza de que havia colocado quando se despira para o banho. Desespera-se tanto por imaginar que seu patrão o consideraria um desonesto, que pensa em suicidar-se. Chega a engatinhar o revólver e colocá-lo no ouvido, mas o cusco lambendo-lhe as mãos, o relincho de seu cavalo, o brilho das Três Marias, o canto de um grilo, tudo lhe invoca a presença e a força divina, que o demove daquele ato transloucado.

 

Assim, o gaúcho reequilibra-se e decide que venderá todos os seus bens e dará um jeito de pagar ao patrão o prejuízo da perda das trezentas onças. E volta para a pousada na estância da Coronilha. É então que tem uma feliz surpresa: sobre a mesa da sala do estancieiro, ao lado da chaleira com que se servia a água do mate, estava a sua guaiaca 'empanzinada de onças de ouro'. Uma comitiva de tropeiros, que chegava à estância no momento em que ele voltava ao passo de sesteada, havia encontrado a guaiaca e a trouxera intacta. E esta foi a saudação que ele recebeu quando entrou na sala:

 

“- Louvado seja Jesus Cristo, patrício! Boa noite! Entonces, que tal le foi de susto?”

 

Acesse o conto completo neste link: 
http://www.tirodeletra.com.br/conto/JoaoSimoesLopesNeto-Trezentasoncas.htm

 

 

O QUE SÃO VINHOS NATURAIS?

 

A controvérsia começa com a definição. Para os fundamentalistas, vinho   natural é simplesmente o mosto da uva de vinhas orgânicas que fermentaram com leveduras naturais e sem intervenção de qualquer tipo. Enxofre é quase sempre banido e muitos produtores se opõem ao carvalho. A Associação Francesa de Vinhos Naturais (AVN) se inspira em Jules Chauvet, um negociante de Beaujolais que morreu em 1989, lembrado por estabelecer uma visão de como fazer vinho o mais naturalmente possível. Mas a definição de vinho natural do grupo ainda está aberta para interpretações. "Mesmo que a associação possa desencorajar o uso de enxofre, a exclusão dele não resume a vinificação natural", diz. Em vez disso, a associação está mais interessada na "ética global do vitivinicultor".

 

No Brasil, evidentemente, esta definição está mais distante do que na França, mas de acordo com a ética de cada produtor, se costuma dizer que é aquele “vinho produzido pelo método ancestral, sem uso de leveduras exógenas, apenas indígenas ou nativas; com baixa ou nenhuma adição de SO²; baixos níveis de intervenção; produtos não clarificados, não filtrados”.

 

Por esta razão os vinhos podem acumular resíduos no fundo da garrafa e, no caso dos vinhos 300 Onças, são vinhos sem passagem em carvalho.

 

 

O NOSSO PROCESSO PRODUTIVO

 

Iniciamos na viticultura em 2007, implantando no município de Piratini, 5 ha de vinhedo de uvas viníferas:

 

0,5 ha de Moscato Giallo, 0,5 ha de Trebbiano, 0,5 ha de Riesling Itálico, 2 ha de Pinot Noir e 1 ha de Cabernet Sauvignon. restando 0,5 ha para experimentos com Marcelan, Tannat e Cabernet Franc.

 

Nosso volume total de produção, faz com que retenhamos apenas os melhores cachos, sendo o restante vendido a produtores de vinhos, especialmente naturais, pois somos conhecidos pelos cuidados na preservação do meio ambiente e de utilização de um volume crescente de produtos biológicos ou cúpricos. Por conta disto, em boa parte do ano, nossas ovelhas se reproduzem no meio do vinhedo, bem como temos nossas aves e múltiplos pássaros convivendo pacificamente neste ambiente.

 

Aliado a estes cuidados, temos uma condição ímpar na comparação com outras vinícolas, pois podemos colher cedo da manhã, no ponto ideal de maturação, sem exposição ao calor, poeira, fuligem de caminhão de uma viagem, em geral longa.

 

Os cachos podem ser escolhidos na colheita e na esteira, antes de serem colocados na mastela, gerando um mosto diferenciado e sem necessidade de uso de metabissulfito utilizado para compensar esta sujidade do produto transportado a larga distância.

 

Para evitar qualquer tipo de contato com leveduras não indígenas, preparamos nossos vinhos em ambiente separado da vinificação convencional, assim podemos garantir um produto único, com o terroir próprio do Sul da Serra do Sudeste.

 

Nos vinhos brancos, por conta do tempo de maceração ou contato do mosto com as cascas, o produto final fica com uma cor amarela intensa, sendo chamados de "vinhos laranja".

 

A família 300 onças é composta pelas variedades Trebbiano, Riesling e Pinot Noir.

 

 

FICHA TÉCNICA

 
 
Trebbiano
 
- Colheita manual e seletiva;
- Transporte em caixas plásticas;
Desengace e esmagamento;
- Adição de Metabissulfito de Potássio em doses mínimas;
- Fermentação alcoólica e maceração por 11 dias, com leveduras indígenas em temperatura de 18ºC;
- Não foram adicionadas leveduras exógenas;
- Descuba prensagem em prensa manual;
- Transfega sem adição de SO²;
- Estabilização;
- Engarrafamento manual.
 
Resultado de Análise Laboratorial
 
- Álcool: 11,6% v/v
- PH: 3,43
- SO² livre: 3 mg/l
- SO² total: 13 mg/l
 
Harmonização: O paladar chama atenção pelo equilíbrio entre álcool e acidez, sendo perfeito para ser ingerido com massas de molho leve, queijos não maturados de pasta mole e pratos à base de frutos do mar.
 
 
 
 
Riesling
 
- Colheita manual e seletiva;
- Transporte em caixas plásticas;
- Desengace e esmagamento;
- Adição de Metabissulfito de Potássio em doses mínimas;
- Maceração por 11 dias, com controle de temperatura de 18ºc;
- Descuba e prensagem em prensa manual;
- Trasfega sem adição de SO²;
- Estabilização;
- Engarrafamento manual.
 
Resultado de Análise Laboratorial
 
- Álcool: 13,3% v/v
- PH: 3,75
- SO² livre: Menor do que 0,005 mg/lt.
 
Harmonização: Perfeito para ser ingerido com risotos, carnes vermelhas, peixes, como salmão e atum, passando por pratos tradicionais da cozinha francesa, como os queijos brie e camembert, ou chocolates com 70% de cacau.
 
 
 
 
Pinot Noir
 
- Colheita manual e seletiva;
- Transporte em caixas plásticas;
- Desengace e esmagamento;
- Adição de Metabissulfito de Potássio em doses mínimas;
- Fermentação alcoólica e maceração por 12 dias, com leveduras indígena sem temperatura de 18ºC;
- Não foram adicionadas leveduras exógenas;
- Descuba e prensagem em prensa manual;
- Trasfega sem adição de SO²;
- Estabilização;
- Engarrafamento manual.
 
Resultado de Análise Laboratorial
 
- Álcool: 13,4% v/v
- PH: 3,75
- SO² livre: 3,0 mg/l
- SO² total: 9 mg/l
 
Harmonização: É perfeito para ser ingerido com carnes magras, salsichas alemãs, cozinha asiática e queijos maturados de pasta mole como Roquefort e Cammembert.